sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

02 de dezembro: Dia Internacional para a Abolição da Escravatura


Segundo a ONG Walk Free Foundation, em maio deste ano, havia cerca de 45,8 milhões de pessoas escravizadas em todo o mundo, conforme foi noticiado em 30 de maio deste ano pelo G1, o jornal digital da Globo.


Coreia do Norte, Uzbequistão, Cambodja, Índia e Catar são os países com maior número de pessoas escravizadas.


Conforme Andrew Forrest, presidente da ONG WFF, declarou, contrariamente às epidemias, a escravatura é uma condição criada pela própria humanidade, através de falta de oportunidade e das desigualdades sociais e estruturais como, por exemplo, a xenofobia, o patriarcado, as castas e a discriminação de género.


O Reino Unido decretou, em março de 2015, a Slavery Act 2015, que obriga as empresas e organizações, a provar que não recorrem a trabalho escravo, em nenhuma das fases ou processos de trabalho, ou através de contratos de contratação e subcontratação de outras empresas ou organizações.


Como é que nós, consumidores anónimos, podemos lutar contra a escravatura? Qual é o preço que está disposto a pagar pelos bens ou serviços de que gosta ou precisa?
Criança escrava num campo cacaueiro