segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A PÁGINAS TANTAS

Hoje vamos divulgar o romance Anatomia dos mártires do jovem e promissor escritor João Tordo. Já antes falámos da sua mais recente obra – As três vidas, que continuamos a recomendar vivamente. Pois bem, Anatomia dos mártires, embora seja totalmente diferente das Três vidas, denota um estilo muito próprio do autor: uma escrita que, sendo simples, consegue, simultaneamente, ser única. Fácil de ler, o autor apresenta-nos a história verdadeira da “mártir” portuguesa Catarina Eufémia, o que se sabe, o que consiste apenas em meras especulações, revelando um intenso trabalho de pesquisa. Tudo começa quando o protagonista, um jovem jornalista, se desloca a Berlim para efetuar uma reportagem sobre um escritor americano que considera um embuste e que publicara uma biografia sobre um mártir que conheceu. O jovem, que até nem lera a obra, acaba por escrever mesmo o artigo e por estabelecer um paralelismo entre esse mártir e a portuguesa Catarina Eufémia. O artigo envolve-se numa forte controvérsia que acaba por provocar, no jornalista, uma vontade de conhecer a realidade dos factos sobre a heroína alentejana. Quase para de viver, de tal forma se deixa cativar pela procura incessante da verdade dos factos. Tudo isto nos transporta para algumas realidades portuguesas anteriores ao 25 de abril, que o autor introduz de um modo muito sábio. Assim, ficção e história surgem num jogo de paralelismo fantástico, onde cabem outras pequenas histórias, como uma grande ligação amorosa com uma mulher irlandesa, como a sua conturbada relação familiar com o pai, como a sua dificuldade em ter amigos, com destaque para a amizade que mantém com Afonso, como ainda a sua difícil relação com o seu chefe editorial, um comunista assumido. Anatomia dos mártires é um romance genial que não pode deixar de ler: associar o entretenimento ao conhecimento é o nosso lema de hoje!

domingo, 30 de dezembro de 2012

A PÁGINAS TANTAS

As 3 vidas, escrito por João Tordo é um romance policial e incrivelmente empolgante, que gira em torno da personagem de Millhouse Pascal, um homem de origem francesa e inglesa, que passa os últimos anos da sua vida num casarão de uma quinta, a Quinta do Tempo, em Santiago do Cacém. Tudo em torno dele se reveste de grande mistério, principalmente a sua actividade profissional. Com ele, vivem três netos, todos muito irreverentes, atuando de forma inusitada e ultrapassando, de algum modo, os cânones sociais. As 3 vidas têm como pano de fundo o ambiente dos anos 80, em que Portugal vivia anos simultaneamente difíceis e de descoberta. O narrador contacta com Millhouse Pascal através de uma oferta de trabalho e passa a viver no Alentejo, na sua quinta, onde se dedica de corpo e alma ao trabalho, havendo, porém, tempo para a sua paixão por Camila, uma das netas do velho senhor. Mais tarde, a acção decorre em Nova Iorque, cada vez com peripécias mais incríveis e volta, então, a Portugal, para o seu desfecho. Para aguçar o seu apetite, caro leitor, digo-lhe que o narrador, embora trabalhando para Pascal, só muito tarde, nos acontecimentos, consegue descobrir a sua verdadeira actividade profissional, a qual se reveste de contornos moralmente questionáveis. Contudo, a descoberta da vida do seu patrão poderá explicar muitos dos acontecimentos presentes e o próprio rumo da sua vida. Enfim, um romance que não se quer acabar, que se quer infinito, para que se prolongue o nosso deleite.

sábado, 29 de dezembro de 2012

A PÁGINAS TANTAS

Como dei com o meu psiquiatra em louco é o meu conselho desta semana. A escritora portuguesa Isabel Stilwell escreveu um conjunto de histórias bem loucas, mesmo de dar com os psiquiatras em doidos! Mas, para nós, leitores, elas dão-nos bons momentos de humor e graça. Para lhe aguçar o apetite, digo-lhe que a primeira história, “A história do Horácio, propriamente dita…” relata a história da convivência entre um casal, a D. Noémia e o seu marido, que apenas tem um defeito: não comer nada que tenha queijo. Aparentemente, isto não é grave, mas… Enfim, nem tudo é o que parece e as consequências desta simples característica tão comum a tanta gente vão ser mesmo graves e vão mesmo dar com um psiquiatra em doido! Como dei com o meu psiquiatra em louco é um livro que se lê num dia apenas! Quando estiver a precisar de um reforço positivo, já sabe: leia este livro que o fará dar umas boas gargalhadas.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

A PÁGINAS TANTAS

Musa é uma compilação de poemas da nossa muito querida escritora Sophia de Mello Breyner Andresen, recentemente reeditado pela Caminho. De entre os vários poemas, a escolha se torna difícil. Seguindo o gosto pela cultura clássica que a autora manifestou ao longo da sua obra, selecionámos o poema “Orpheu”, onde Sophia, como ninguém, nos introduz na música encantadora da lira de Orpheu: Orpheu Seu canto alto e grave O canto de oiro o êxtase da lira Orpheu A palidez sagrada de seu rosto Que de clarões e sombras se ilumina Ante seus pés se deitam mansas feras Vencidas pela música divina. Bem, e como a leitura é isto mesmo, o nosso ouvinte poderá ainda deleitar-se com a história de Orpheu. O que sabe desta personagem? Então, lanço dois desafios: o primeiro, deleitar-se com o livro Musa da nossa Sophia, o segundo, procurar a história de Orpheu e … lê-la, claro. Tenho a certeza de que vai adorar!

sábado, 22 de dezembro de 2012

A PÁGINAS TANTAS

Na berma de nenhuma estrada é o livro de que hoje vos vou falar. Mia Couto, o autor, tem uma escrita muito peculiar e própria dele mesmo, em que mistura vocábulos, expressões e mesmo frases, ao seu jeito, numa invenção contínua e marcando um estilo muito pessoal. É um autor que me agrada desde as primeiras palavras que leio. Ora ouça: “Quem amamos nasce antes de haver o tempo. Passou o tempo e Ofélia era ainda a única mulher no mundo. Eu a via passar na rua, afastava os cortinados e o universo ganhava súbita explicação. Ela parava no passeio, sentindo que estava sendo contemplada. Meus olhos a tornavam sagrada. E não havia palavra. Passou o tempo mas a cintura dela se conservava menininha, convidando as mãos a circum-navegarem seu corpo. - Você é linda, Ofélia. Mas ela! Não eram essas as palavras que mexiam em sua alma. - Diga que sou eterna – pedia. Eu não era capaz de cumprir aquele pedido. Algum senão me desviva a voz. E nunca repeti tão solicitadas palavras.” Este é o princípio do conto "Ofélia e a eternidade”, um dos 38 contos que compõem este livro: Na berma de nenhuma estrada para ler com urgência!

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

A PÁGINAS TANTAS

Hoje, como as férias estão aí, vamos falar de alguns livros para os mais jovens se entreterem. Começamos pela colecção “Detetive Maravilhas” da escritora Maria do Rosário Pedreira. Há vários títulos e são todos de perder a cabeça. É que este detective resolve tudo num instante e tem uns companheiros do melhor. Para quem goste do estilo do Harry Potter e dos feitiços, há uma boa colecção de uma escritora portuguesa chamada Luísa Fortes da Cunha, cuja protagonista é a Teodora, uma menina também fada que se desdobra em aventuras e mais aventuras. De ler a correr! Agora mudamos de estilo, para o Diário de Sofia e Ca., da Luísa Ducla Soares. Trata-se do diário de uma rapariga de 15 anos que está contra tudo e contra todos e que nos conta o seu dia a dia de uma forma muito, mas muito cómica. Amigos, estas são as nossas propostas de hoje, mas os livros são tantos, tantos, que, se entrarem numa biblioteca, se perdem completamente! Boas leituras nestas férias de natal são os nossos votos!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

PRECISA DE MOTIVOS PARA LER?

RESUMO DO LIVRO Um dia, o grupo dos cinco jovens foi para um intercâmbio com alunos franceses, na França. O local escolhido para se encontrarem era em Trocadéro. Quando lá chegaram, foram distribuídos por famílias de acolhimento. A família que acolheu João era um casal que tinha uma filha. Pedro e Chico foram recebidos por uma família que também tinha apenas um filho. As gémeas Teresa e Luísa foram acolhidas por uma pessoa que se chamava Clarice, mas apareceu a sua tia Elise, que as levou para casa e lhes disse para ficarem à vontade. Alguns dias depois, o grupo foi para a escola para ensaiar o final da peça de teatro porque era a véspera da estreia. A estreia da peça de teatro correu bem. No dia seguinte foram visitar a torre Eiffel e o museu de Orsey. Na televisão viram uma notícia sobre a explosão de uma bomba num armazém em Paris. Um dia depois de jantarem com Gaston, as gémeas encontraram Pedro e Chico. Pedro contou que tinha ouvido um terrorista planear pôr uma bomba num armazém de comidas. Algum tempo depois foram ter à cabana de Gaston em Vosgos. Chico, Luísa e Bento foram dar uma volta e encontraram os terroristas. Começaram a lutar e ganharam, mas Chico caiu de uma ribanceira abaixo e desmaiou. Os terroristas levaram Luísa e Bento e puseram-nos ao lado de uma bomba relógio, mas Chico salvou-os. Ficaram lá todos dentro à exceção de Teresa, que se perdeu. A bomba explodiu, mas apenas ficaram ligeiramente feridos. O comandante prendeu os bombistas e apareceu o terrorista da mancha branca que apontou a pistola a Teresa. Chico, escondido, atirou uma pedra e partiu a cabeça ao terrorista. OPINIÃO SOBRE O LIVRO Na minha opinião, é um livro divertido porque tem muitas partes em que eles se metem em aventuras e é divertido saber como eles se safam. FRASE MAIS BONITA DO LIVRO "Nunca hei-de esquecer Vosgos! - disse o Pedro. - Que sítio espantoso..." , pág.179 Autor: Ângelo Soares Primo, 7º E

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

APS10 APRESENTA TRABALHO AO 3º ANO JF3B

Esta sessão foi igualmente animada. O tema foi o das vindimas, também caraterístico desta região. Os alunos do 12º ano apresentaram uma peça de teatro e desenvolveram várias atividades plásticas, todas muito interessantes. Os alunos do 3º ano ficaram deveras contentes e também pedem repetição! O saber não ocupa lugar.

APS10 APRESENTA TRABALHO A 4º ANO JF4B

Como se pode ver pelas fotografias, a animação na BECRE foi grande. Os alunos da turma APS10 desenvolveram um trabalho alusivo ao tema da castanha e do castanheiro, outrora foco de desenvolvimento desta região, e apresentaram uma peça de teatro, seguida de atividades de desenho, pintura, colagens e ainda cantaram um fado! Todos adoraram e pedem repetição!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

CLUBE DE LEITURAS

Alguns alunos do 9º A e do 9º B e toda a turma do 3º ano JF 3 B partilharam leituras na BECRE João Franco do nosso agrupamento. O entusiasmo foi total. As obras apresentadas foram O leão e o rato, uma fábula de La Fontaine, Uma noite de natal, de Diana Hendry, Papá das pernas altas, de Jeanne Webster, O silêncio da água, de José Saramago, O meu pé de laranja lima, de José Mauro de Vasconcelos, O segredo do castelo de terror, de Alpred Hitchcock, Cartas a Beatriz, de Maria Teresa Maia Gonzalez, A maior flor do mundo, também de José Saramago e os Capitães de areia, de Jorge Amado. Os alunos do 3º ano apresentaram os seus livros em duas dramatizações fantásticas e muito bem encenadas. Os mais velhos falaram dos livros que leram, tendo em atenção o público a que se destinavam ... E olhem que não é nada fácil! Correu muito bem. Por fim, os meninos do 3º ano escreveram a obra que preferiram e o motivo da escolha. É caso para dizer que foi incrível: ganhou O segredo do castelo de terror, apresentado pelo José Lopes. Bem, resta dizer os nomes dos outros participantes do 9º ano: Afonso Duarte, Beatriz Freitas, Beatriz Sampaio, Simão Brito e Inês Lopes. Continuem com as boas leituras!

A PÁGINAS TANTAS

As cinquenta sombras de Grey
Comecemos pelos factos… As cinquenta sombras de Grey são um sucesso editorial lido por milhares de pessoas e isso é ponto assente. Passemos à opinião… Opinião baseada numa noite de leitura, o que, para uma leitora compulsiva, é suficiente para este livro. Se me perguntarem se compreendo o porquê do sucesso editorial posso responder que sim. Este livro oferece-nos a versão cor-de-rosa de uma história de amor que se pode resumir no seguinte enredo: rapaz rico, misterioso e atraente encontra rapariga inocente, virgem e nada habituada a luxos e apaixonam-se … No final da leitura tive uma sensação não de déjà-vu, mas de déjà-lu… Sim, também eu li as Bianca e as Sabrina no meu tempo de adolescente, e ainda devem existir no sótão da casa dos meus pais uma ou duas Corin Tellado, portanto a receita para o sucesso é conhecida. Esta receita já não era, no entanto, suficiente para os dias de hoje. Foi necessário ainda apimentar a contracapa com uma alusão a todo um mundo de erotismo (a voracidade sexual de Grey e a sua obsessão pelo controlo) e na capa ficamos desde logo a saber que este é o livro de todos falam - estava criado o engodo para os leitores. Considero, como sempre considerei, que todos os leitores têm o direito inalienável a não gostarem de um livro, contudo é também minha firme convicção que jamais nos devemos pronunciar sobre um livro sem o termos lido, folheado, dado uma oportunidade às letras de nos seduzirem. Infelizmente não foi o caso… Após a leitura da obra conclui que esta nada de novo trazia ao meu gosto por ler, nem a suposta carga erótica chega a ser aliciante (só quem nunca leu Anais Nin ou D.H. Lawrence poderá dizer que o erotismo neste livro é inovadoramente sedutor). Há contudo uma observação que se torna premente, a cor deste livro (indiscutivelmente cor de rosa sob os negros da capa) torna-o cativante aos olhos de muitos leitores, talvez porque já muito pouco de cor-de-rosa aparece nas nossas vidas… Quem nunca sonhou com um cavaleiro, no seu corcel branco, perdido de amor por nós que atire a primeira pedra… Eu não o farei… Li, está lido… Agora cabe-lhe a si, caro leitor ler e julgar, pois foi para isso que os livros foram escritos… E se opiniões não se discutem e cada um tem a sua, esta opinião foi apenas a minha…