quinta-feira, 16 de agosto de 2012

A PÁGINAS TANTAS

“No tempo em que eu ainda trepava às árvores …”. Com esta frase inicial, Patrick Süskind revela que o narrador da história é apenas um rapazinho que, dotado de um caráter muito reservado, mas aventureiro, nos vai falar sobre um singular habitante da sua aldeia, o senhor Sommer. “Vivia (…) nem a dois quilómetros da nossa casa (…). Ninguém sabia qual era o nome de baptismo do senhor Sommer, se era Pedro ou Paulo ou Henrique ou Francisco Xavier, ou se era doutor ou professor Sommer, ou professor doutor Sommer (…) .” Ele e a sua mulher haviam chegado, um dia, de autocarro e não se conheciam quaisquer filhos ou outros familiares. Contudo, este homem misterioso era conhecido de toda a gente. E porquê? Pura e simplesmente porque passava quase todas as horas da sua existência a percorrer a pé toda a região, munido do seu cajado e da sua mochila, quer estivesse sol, chuva, ou até um temporal. Carolina Kückelmann é a jovem personagem feminina dos sonhos do narrador, que o fascina e, do lado oposto, existe a personagem da Senhora Funkel, uma odiosa professora de piano. O senhor Sommer, não existindo na vida de ninguém, existe na vida de toda a gente, pela simples passagem, mas sem nunca estabelecer qualquer tipo de contato. Com belíssimas imagens de Sempé, esta é a história de muitas vidas que, de tão solitárias, nem pertencem ao mundo da verdadeira existência. É um assunto é para refletir. A história do senhor Sommer, um livro para todas as idades, com apenas 102 páginas, uma boa leitura para o seu fim de semana.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

A PÁGINAS TANTAS

A herpetofauna do parque natural da Serra da Estrela. Não estranhe. Este é mesmo o título do livro que hoje divulgamos! É verdadeiramente bizarro. Sabe qual é o assunto? “Serpentes, lagartos, rãs e sapos…” Ba, que horror! Dizem os autores que “estes estranhos e discretos animais não são compreendidos da mesma maneira por toda a gente. A grande maioria arrepia-se só de pensar neles, à simples apresentação das suas imagens. No entanto, uma criança não vê nada de repugnante ou de ameaçador num sapo ou numa serpente que, espontaneamente, agarraria se não a repreendessem…” O que é certo é que, através deste livro, que contém magníficas fotografias, temos oportunidade de considerar estes animais de forma diferente. Os autores afirmam que quiseram “associar os anfíbios e os répteis aos meios naturais que frequentam e dos quais são inseparáveis”, além do que consideram que é necessário protege-los, o que não será possível, claro, se não preservarmos o seu habitat. Segundo os autores, “os anfíbios e os répteis são uma parte importante do património natural da serra da Estrela onde ocorrem 35 das 46 espécies recenseadas em Portugal Continental. Eles contribuem, significativamente, para a enorme riqueza e diversidade desta área natural.” Pois bem, a primeira parte da obra refere-se ao parque natural da serra da Estrela, caracterizando-o, abarcando a sua geologia, o clima, as zonas fotossociológicas e paisagísticas, problemas e perspectivas. Só na 2ª parte é que o tema, propriamente dito, é abordado e de forma mesmo muito interessante. Atreva-se e consulte esta magnífica obra na biblioteca da Escola João Franco. Aproveite, depois, para dar um passeio à Serra da Estrela e procurar, sem medo, algumas das espécies mencionadas no livro.